sábado, 5 de maio de 2012

Karl Marx



Neste dia, em 1818, numa cidade do então reino da Prússia, de nome Tréveris, nasceu Karl Heinrich Marx.
Como todos os bebés… nasceu muito boa pessoa e inocente, o que quer dizer que no princípio e durante vários anos… consta mesmo que não foi marxista.
Depois, já se sabe: as más companhias… movimentos estudantis, filósofos, economistas, historiadores, intelectuais, políticos, alguns socialistas utópicos, jornalistas… quem sabe até, algum(as) artista(s) de “variedades”... e deu no que deu!!!

Disse o seu inseparável amigo Engels no seu funeral:

"A luta era o seu elemento. E ele lutou com uma tenacidade e um sucesso com quem poucos puderam rivalizar. (…) Como consequência, Marx foi o homem mais odiado e mais caluniado do seu tempo. Governos, tanto absolutistas como republicanos, deportaram-no dos seus territórios. Burgueses, quer conservadores ou ultrademocráticos, porfiavam entre si ao lançar difamações contra ele. Tudo isso ele punha de lado, como se fossem teias de aranha, não tomando conhecimento, só respondendo quando necessidade extrema o compelia a tal. E morreu amado, reverenciado e chorado por milhões de colegas trabalhadores revolucionários - das minas da Sibéria até à Califórnia, de todas as partes da Europa e da América - e atrevo-me a dizer que, embora, muito embora, possa ter tido muitos adversários, não teve nenhum inimigo pessoal."


9 comentários:

Rogério Pereira disse...

Excelente!

trepadeira disse...

Tão grande que incomodará as bestas por muito tempo,até as derrotar,mesmo depois da morte física.

Um abraço9,
mário

São disse...

Está mais vivo que muita gente acha.
Abraço para vós

José Rodrigues disse...

A gente lê o Manifesto Comunista, olha em volta,e como cantava o Zeca;"quando um homem se põe a pensar",está lá quase tudo...passados estes anos todos!

Boa malha

Abraço

jrd disse...

Deu no que deu e deu num poste magnífico, que não tem muito mas tem "Tudo"!
Abraço

Lídia Borges disse...

Dito desta forma tão bem humorada, a admiração por esta personalidade inultrapassável do Pensamento, da Filosofia, da História, sai deveras engrandecida.

L.B.

Anónimo disse...

Marx!
Companheiro Marx!
Sempre conosco.

Campaniça

Manuel Norberto Baptista Forte disse...

Sempre actual.

Graciete Rietsch disse...

E continua um farol a guiar-nos apesar de todas as alterações sociais, económicas, monetárias, porque o ideal está bem vivo e presente na luta de classes que não se esgotou.

Um beijo.