segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Passos Coelho – O “benefício da dúvida”


Pedro Passos Coelho veio dizer alto aquilo que muitos canalhas pensam mas não dizem: “Os reformados são uns privilegiados!” Onde é que já se viu... não trabalhar e ainda por cima receber dinheiro todos os meses.
Eu sei que vêm logo uns tantos dizer que um discurso assim, generaliza a ideia nojenta e populista de que “os jovens de hoje estão a trabalhar para pagar as pensões de quem não trabalha”.
Eu sei que, dada a ignorância que habita os cérebros quase vegetativos de muita gente, este é um argumento que faz muito sucesso em algumas tascas... argumento de muito fácil penetração nesse específico tipo de cérebros.
Eu sei que até parece que este género de discurso é um empurrão aos jovens trabalhadores, para que votem pelo abandono da Segurança Social, em favor da capitalização em bolsa de fundos de pensões privados.
Eu sei que vêm sempre alguns com a desculpa de que quase toda aquela gente trabalhou uma vida inteira e fez descontos para a sua aposentação. Eu sei que há até uns “líricos” que, a pretexto de aquela gente ter colocado dinheiro que era seu, retirado aos seus ordenados, nas mãos do Estado para que este o guardasse, tem direito às reformas... chegando mesmo a pretender que o Estado lhes deve esse dinheiro!
Sou capaz até de entender as "irritações" de pessoas da CGTP, ou do PCP, "Verdes""Bloquistas", "Indignados" e tantos, tantos outros, em movimentos organizados ou não... por pertencerem ao grupo desses “líricos”.
Seja como for, havemos de concordar que há reformados e reformados. Para todas a grandes regras, há excepções.
Daí eu ter decidido, contra o que me é habitual, dar o "benefício da dúvida" ao nosso "estimado" primeiro-ministro, quando ele diz que «os pensionistas não descontaram para terem pensões tão elevadas». Quero crer que Passos Coelho não está a tentar virar os trabalhadores contra aqueles que já trabalharam. Quero acreditar que o primeiro-ministro não é um simples canalha. Quero acreditar que Passos Coelho se está a referir apenas às excepções...
Excepções como a descaradona da sua colega de partido, que a cada dia prova ser feita do mesmo lixo dos seus amigalhaços do Governo, e cuja única gracinha já consiste apenas no penteado “alternativo”... descaradona que, por retribuição de uns tempitos de trabalho no “tribunal não sei das quantas”, desde os 42 aninhos de idade que todos os meses abocanha uma reforma tal, que a fez prescindir do ordenado de vários milhares de euros por mês a que teria direito enquanto Presidente da Assembleia da República.
Apesar de Marcelo Rebelo de Sousa ter outra opinião... aposto que é isso. Passos Coelho está a apenas a “amandar” uma indirecta à dona Assunção Esteves!

13 comentários:

do Zambujal disse...

G'anda directa!

Um abraço

Olinda disse...

Eu acredito piamente que este sinistro-ministro ê um canalha-nazi da pior espêcie.Eu quero acreditar que nao o vamos aturar atê ao fim do seu mandato.
Um abraco

Anónimo disse...

contrariamente ao que querem fazer passar, nunca houve nem vai haver geração que tenha pago mais e durante tantos anos a sua reforma. Note-se que a maioria destes que entraram agora na reforma entraram no mundo do trabalho com 15 ou 16 anos.

Donatien disse...

Sem dúvida:a dona assumpção aposentou-se por incapacidade aos 46 anos,coitada,tão doente...
No entanto "dirige" os trabalhos da AR,de forma bastante foleira,convenhamos...

Anónimo disse...

Passos Coelho é uma vacina que nos pode ajudar a curar do fascismo.
Todos devemos ser vacinados para não sermos atacados por essa doença socialmente mortal.
Uma vacina é qualquer substância que, inoculada num indivíduo, lhe confere imunidade contra uma determinada doença como é o caso da doença provocada pelo do governo de Passos Coelho.
Em complemento devemos sempre participar em manifestações sindicais da CGTP e de outras forças antifascistas.
JM

as-nunes disse...

Quem se julgam estes tipos?

Andam a brincar com o fogo, ai andam andam!...

Maria disse...

'Cenas' como esta e outras que conhecemos não deviam ser permitidas.
É evidente que um reformado que trabalhou 40 anos e fez todos os seus descontos espera receber a reforma a que tem direito. Se os jovens (e outros) pagam agora as reformas, os actuais reformados pagaram as reformas dos avôs desses jovens, certo?
Que porra....

Beijo.

Anónimo disse...


camada de bandalhos!
andam a brincar com o fogo, já há muito tempo...

vovómaria

Reaça disse...

E se continuasse tudo na mesma?
os reformados a reformar, os banqueiros a bancar os professores a professar, os sindicatos a sindicar, o Mário Soares a fundar, o Marcelo a palpitar, o Sócrates a estudar, as Juntas a freguesar...?

Só que a manhosa da Merkel não dá sossego, disse o Gaspar.

Chata da mulher!

Antuã disse...

A Segurança social até dá para subsidiar misericórdias, IPSS, outras associações, a educação das pessoas com deficiência, porque o Ministério da Educação fascistamente não assume as suas responsabilidades neste campo, etc., etc.

Anónimo disse...

Aos trabalhadores do regime a que pertenço (Segurança Social) sempre nos foi imposto o desconto obrigatório na certeza de que o mesmo no final nos seria devolvido sobre a forma de Reforma que nunca chegaria a 100% porque o máximo possível e sem penalizações seriam os 80%.
Porque me roubam agora?
O que fizeram ao meu dinheiro?
Diz o 1.º Ministro que
"Queixam-se de lhes estarmos a pedir um esforço muito grande", considerando que esses reformados e pensionistas "descontaram para ter reformas, mas não para terem aquelas reformas".
Deve estar a fazer uma grande confusão.
"AQUELAS" reformas? as do Pedreiro, do Carpinteiro, do Chefe de Oficina ou do Empregado de Escritório, do serralheiro ou do marçano?
Deve estar a fazer uma grande confusão entre Cavaco Silva, Assunção Esteves, Mira Amaral e todo o restante pessoal parasita com os que trabalharam uma vida inteira, que curaram gripes e tuberculoses, anemias e todas as outras viroses à base de chás de limão com mel quando os havia?
Se não fosse criminoso até seria cómico.
JC



Sousa Mendes disse...

acima de 1.000 euros para que todos tivessem mais.

Artur Henriques disse...

Acreditar eu queria, mas não posso. Como poderei acreditar no chefe de um governo cujo programa foi escrito por um magano que antes dos 50 tinha uma reforma superior à do PR mais a da PAR.
Já agora satisfaçam-me duas curiosidade se souberem:
1. Quanto é que a Segurança Social perdeu para a Banca em aplicações financeiras desde 2008?
2. Quanto é que o Estado esbanjou em juros agiotas desde 2008?
Se me souberem responder podemos fazer contas e que o Sr. Passos não nos distraia com estes fait divers para ocultar os interesse dos senhores "Paulos Teixeiras das nossas Cruzes.