domingo, 16 de dezembro de 2012

Rhapsody in blue - Um dos eleitos...


Aposto que Gershwin esperaria tudo menos vir a ter a sua “Rhapsody in Blue” tocada desta maneira, numa de harmónica e por um pequenote chinês de nome Leung Pak.
Aposto também que o aplaudiria sem reservas!
Suspeito que chamaria umas coisas que eu cá sei aos vários imbecis que, na internet, chamam ao miúdo “mais um robot da China” e que, para tocar desta maneira, só pode ter sido “forçado”... coisa que nunca lhes passou pela cabeça, sempre que admiram uma qualquer menina ou menino-prodígio ocidentais.
Na cabeça dessas bestas é natural que nasça a convicção de que é possível forçar alguém a tocar assim, a “sentir” assim a alma desta Rapsódia em Blue... não sabendo que este “blue” é uma coisa que não se ensina, nem se explica, nem se força. Atinge apenas alguns seres, como uma luz...
São oito minutos de encanto sereno e de um brilho que faz bem à alma.
Bom domingo!

"Rhapsody in blue" - Leung Pak
(George Gershwin)



7 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Que coisa tão linda!!! E "à custa de chicotadas"!!

Um beijo.

Maria disse...

Que maravilha!
Bom domingo.

Abreijos

do Zambujal disse...

Boa!

Um abraço

Justine disse...

Belíssimo! Bom domingo:))))

Olinda disse...

O puto ê especial!Possui aquele"dom"que tocou Mozart e alguns outros.Achei lindo!

Um abraco

Provoca-me disse...

Quantas espingardas e basucas teve apontadas a ele para conseguir fazer esta maravilha.

galega disse...

Uma maravilha!!!!